domingo, 12 de abril de 2009

Olá!!

As aulas voltaram e eu não queria simplesmente esquecer esse blog, então resolvi "retoma-lo" :D


Vou postar uma reportagem feita o ano passado na disciplina de Técnicas de Reportagem" ministrada pelo professor Juremir Machado (Adoooooooro!! (: ) Foi um dos primeiros contatos com a reportagem e depois de muita correria, coletar dados, fontes etc... Aí está a resultado!!Infelizmente não consegui colocar as fotos que estavam na reportagem =//



Beiijos #)'




Uma fundação para estancar a dor

“-Não corre, não corre que é pior. É melhor esperar aqui!”
Palavras ditas um pouco antes de Igor ser atingido por uma bala perdida na nuca


Carolina Tubino, Fernanda Cardoso, Gabriel Arévalo, Renata Araújo





Igor Carneiro, estudante de direito da PUCRS e estagiário em um escritório de advocacia, foi morto em uma festa com bebida liberada realizada na sede da Associação dos Funcionários do Inter (Asfinter) onde já havia freqüentado algumas vezes com ex-colegas do colégio Farroupilha e da faculdade. Relatos de pessoas que estavam no local mostram que desde a entrada já havia confusão e aglomerações. Às três e meia da manhã, quando terminaram as bebidas, começaram os tumultos. Por volta das 4h30 alguns participantes que se envolveram em brigas foram expulsos das dependências da associação para evitar problemas. Alguns minutos depois retornaram armados e atirando. Marcelo Garcia Cardoso, 33 anos, também foi atingido por bala perdida e mandado para o Hospital de Pronto Socorro, sendo medicado e liberado sem maiores complicações.
Após a morte de Igor, família e amigos resolveram se mobilizar. FICAR (de Fundação Igor Carneiro) é o nome do movimento que pretende realizar um trabalho de esclarecimento aos jovens e suas famílias quanto à qualidade dos eventos de que participam e exigir o cumprimento das leis, no que diz respeito à segurança e venda de bebidas nas festas. Entre os membros do movimento estão amigos e ex-colegas de Igor, jovens adolescentes e seus pais, universitários e pessoas dos mais diversos ramos de atuação profissional. Recém criado, o FICAR já recebe apoio de movimentos populares bem conceituados na sociedade como o “Vida Urgente”, o “Chega de violência” e o “Onde estão nossos filhos?”
Membros da FICAR antes do programa na TVCOM. Foto Marcos Daudt Um dos principais objetivos é atuar na fiscalização de festas. Segundo Marcos Daudt, coordenador do FICAR, o que é mais gritante é a total falta de fiscalização por parte dos órgãos públicos nas festas abertas, com cobrança de ingressos ou não. Outro ponto interessante, segundo Daudt é que as leis a respeito da promoção de eventos mudam a cada cidade: “Estamos realizando um levantando das leis municipais para falar com maior propriedade. Com a chegada do verão estas festas se transferem para outras cidades e suas leis são diferentes ou inexistentes. A idoneidade de muitas produtoras piratas também é outro problema que deve ser analisado” esclarece.
O grupo está se organizando em núcleos para promover a conscientização dos jovens sobre a segurança nas festas. Um dos núcleos já realizou 4 palestras no colégio Anchieta, em Porto Alegre, além de participar do programa Camarote TVCOM na feira do livro. Mariana Feia Ramos da Rocha, 16 anos, idealizadora das palestras no colégio Anchieta esclarece: “Era um projeto da aula de religião, onde deveríamos levar palestrantes para falar a respeito de ONGs. Resolvi levar a FICAR já que o sentimento de mudança já existia a fundação pode conduzir à uma direção diferente”.
Os membros da FICAR estão agilizando o processo de registro jurídico. A instituição deve ser caracterizada inicialmente como uma associação: “iniciaremos dessa maneira porque uma fundação, burocraticamente, atrasaria muito o início das ações. A fundação existirá em um segundo momento”, afirma o coordenador.
Em carta à governadora, o movimento justifica sua criação no fato de que a falta de segurança nas festas não é um problema só de Porto Alegre e todos precisam lutar juntos. Daudt ainda completa: “Existe um projeto de lei no congresso, por parte de um deputado goiano contra as festas com bebidas liberadas. O que demonstra ser um problema de nível nacional”.
Imprudência na organização?

Por Fernanda Cardoso
Para a organização de festas, os produtores devem esquematizar a quantia de ingressos vendidos e o número de pessoas compatível com a área do local. Na “Festa La Bombonera”, que Igor participou, os organizadores mostraram preocupação apenas com a divulgação e com o lucro. Além da morte do estudante, roubos e brigas ocorreram durante a noite e, segundo testemunhas, a confusão começou com a falta de bebida no bar.
Na comunidade da ASFINTER, no site de relacionamentos Orkut, há vários tópicos referentes aos problemas da festa, reclamações da Fiel Produções (organizadora do evento) e condições deploráveis do local. Em um dos comentários o estudante de direito da ULBRA, Gabriel Lobato, 21 anos, ressalta: “o que estava escrito no flyer era mentira. Já eram duas da manhã e não havia mais bebida, sendo assim, uma oportunidade para começarem as brigas”.
Houve quem defendesse a produtora dizendo que os tiros vieram da rua e que qualquer um poderia ter atirado, já que a festa era perto de vilas e não possuía muita segurança. Na maioria das festas de faculdade os ingressos são vendidos apenas aos estudantes, mas segundo representante do Centro Acadêmico da faculdade de direito da PUCRS, essa festa não foi aprovada e os ingressos teriam sido vendidos por cambistas na rua, o que comprova a superlotação do local além de não poder usar o nome da faculdade.

Como fica a divulgação das festas com bebida liberada?

Por Gabriel Arévalo
É fácil encontrar panfletos e cadastros em catálogos virtuais que divulgam festas com álcool livre sem a especificação que é proibida a venda para menores de dezoito anos, como especifica a legislação.
Thiago Costa é sócio do site “Pilhou?” (www.pilhou.com.br), que realiza divulgação de festas universitárias. A maioria dos eventos com “bebida liberada” cadastrados no catálogo do site não possuem a descrição de que só podem entrar ou adquirir bebida alcoólica maiores de idade. “Nós não organizamos festas, somente as divulgamos e cadastramos no site as informações que nos passam. Em quase todos os casos de festas os produtores colocam no material de divulgação que é proibida e entrada de menores de 18 anos. A fiscalização deveria ser feita na entrada da festa. Nas nem sempre essa fiscalização acontece, digo isso tendo por base as festas que fui. Somente as grandes festas e eventos fazem essa fiscalização”, argumenta Thiago.
Questionado sobre sentir-se responsável por situações em que o menor de idade entra no local por não ter tido a orientação de que não poderia entrar expressa na divulgação, Thiago acredita que pode se considerar indiretamente responsável, mas é o mesmo que culpar um jornal que publica o anúncio de uma casa com uma ótima vista e ela não existe. A culpa, segundo ele é do proprietário e não do jornal. “O que acontece é que alguns organizadores de festa não colocam o aviso por acharem que é meio óbvio, ainda mais quando a festa é em alguma casa noturna mais conhecida. Mas sim, alguns não colocam esta frase no descritivo da festa para que o menor compre o ingresso antecipado e na hora fazem vista grossa. Não vou mentir dizendo que isso não acontece, já vi isso acontecer em festa na Asfinter e IBGE”.
Porém para Thiago, sobre o incidente, o problema não foi a festa com bebida liberada, que sempre ocorreram em faculdades, mas a falta de organização por parte dos produtores. “Agora todo mundo culpa essas festas, ou as festas de faculdade, e não a péssima organização” completa.


A culpa não é dos seguranças

Por Carolina Tubino

A parte mais importante na hora de organizar a festa é garantir que os convidados sintam-se protegidos. Geralmente, os seguranças fazem revista em todas as pessoas para evitar que drogas, armas e até mesmo objetos que possam ser utilizados como armas adentrem o local da festa. Na opinião do segurança do Cult Bar, Mário dos Santos Bica, 42 anos, faltou qualificação para os profissionais cuidarem da festa na Asfinter: “Acredito que colocaram alguém sem experiência para trabalhar, somente para dizer que tinha segurança no local.”
De acordo com a lei federal 7.102, a profissão de vigilante exige os seguintes critérios:
-aprovação em um curso de formação de vigilante, realizado em estabelecimento com funcionamento autorizado;
-ter sido aprovado em exame de saúde física, mental e psicotécnico;
-estar quite com as obrigações eleitorais e militares;
-possuir registro na Delegacia Regional do Trabalho do Ministério do Trabalho, que se fará após a apresentação de documentos comprobatórios(...)
Bica ainda revela que quando a pessoa carrega legalmente uma arma a casa noturna deve ter um cofre com chave, mas que os donos não fazem este investimento. Em quase 20 anos de carreira, encontrou de tudo enquanto revistava o público, desde as drogas mais pesadas como o ecstasy até canivetes, sendo estes últimos levados como forma de auto-proteção.
Para Lúcio André Lima, 40 anos, vigilante da feira do livro deste ano, o que ocorreu em ‘La Bombonera’, foi falta de organização: “Não adianta descontar nos seguranças se o local estava superlotado. Se sabiam que teria 3 mil pessoas ao invés da metade, porque não contrataram mais gente ou controlaram a capacidade? Foi falta de organização por parte da produtora”, afirma.
Mesmo com uma boa infra-estrutura, preparação e testes para ocupar um lugar como segurança, é preciso experiência, como explica o segurança Luiz Carlos Vicente, 38 anos: “Quantidade não é qualidade. Ser vigilante não é para qualquer um! Carregamos armas e temos uma enorme responsabilidade em mãos para cuidar das festas. É preciso ter jogo de cintura, ter trabalhado e vivenciado de tudo”.


Os menores bebem, sim!

Por Renata Araújo

Atualmente, o consumo de bebidas alcoólicas está aumentando consideravelmente. O local onde a consumação é maior é em festas. No entanto, há variações quando se considera o local. Uma parte dos menores bebe em casa, e ainda há os bares que recebem um público pouco maior de 16 anos. As bebidas, juntamente com o tabaco, são os produtos que mais levam seus usuários à morte no mundo, pois são drogas psicotrópicas que atuam sobre o cérebro, principal órgão do sistema Nervoso Central. Os principais motivos que conduzem o jovem ao consumo são: a aceitação social, a falta de conscientização, e o desconhecimento dos efeitos de ingerir álcool de forma inadequada.
Para retardar essas conseqüências, há uma lei que proíbe a venda de bebida para menores de 18 anos. Mas, nos estabelecimentos de venda, não se procede dessa maneira. Em raros lugares segue-se a norma, que possibilita o acesso aos menores de idade. A negligência ou até mesmo a omissão da fiscalização é que geram essa facilidade de venda aos menores. Grande maioria dos jovens consumidores de álcool bebe mais de uma vez por semana, o que pode causar problemas de vício.
A falta de maturidade já é uma grande complicação. Quando os adolescentes são atingidos pelo efeito da bebida, ficam muito imprudentes e isso e resulta em desastres e fatalidades envolvendo pessoas inocentes. O ideal seria que a lei fosse rigorosamente seguida, para que o futuro da população não esteja comprometido pela imaturidade das crianças de hoje e pela falta de responsabilidade e competência dos vendedores de tais produtos.

E a situação continua...

Por Carolina Tubino e Renata Araújo

Enquanto se tenta achar culpados para o incidente na Asfinter, a venda de bebidas para menores de dezoito anos em festas continua. Em uma festa realizada na cidade de Guaíba, região metropolitana de Porto Alegre, o organizador Anderson Glayton, 20 anos, disse que com o tumulto, não tinha condições de pedir identidade a todas as pessoas, portanto, era impossível controlar por completo a situação.
Quando perguntado sobre o porquê de não cobrarem o documento na hora da venda, ele respondeu: “A festa não é feita para maiores de idade, é aberta ao público. A fiscalização era feita regularmente na copa, onde eventualmente eram solicitadas comprovações da idade dos consumidores”.
Com relação à proibição da venda a menores, ele explica que o problema não acaba por definitivo: “O menores de idade podem ter acesso às bebidas por outros meios, seja por amigos ou até mesmo os pais que influenciam o comportamento do filho, mas em nenhum momento os impossibilitariam de consumir, o que ainda é o grande problema”.

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Enfim... o fim!

olá

tudo bem?!!

Correria,trabalhos mal-feitos,provas complicadas...Esse foi um breve balanço desse primeiro semestre.
Tá acabando,e para muitos ainda falta um pouco. Mas o que eu gostaria nesse primeiro momento é que "nunca quis tanto tirar férias" hahahahaha (brincadeira!!)
A disciplina em si,adicionou muito. Tá eu admito que não sou fã das câmeras,mas tive meu primeiro contato com o rádio (uma paixão!) e com o jornal impresso.
Fazer a reportagem para o jornal foi para mim (Fê) a coisa que mais gostei e tenho certeza de que é isso que quero pra mim,trabalhar num jornal.O rádio foi outra experiência ímpar.
E fazer esse blog também,tudo bem que ele não é muito visitado,mas também não é divulgado! No primeiro momento não gostei muito da idéia do blog,mesmo tendo um blog pessoal. Mas é que mesmo me rendendo a tecnologia,ás vezes tenho "preguiça" de postar.. aff! Mas acredito que ele foi exatamente o que os professores proporam para a turma. Um diário. Tipo aqueles que tínhamos quando "menininha". Coloquei aqui,as minha experiências,perspectivas,fotos,vídeos (para deixar o blog mais interessante!)

Agradeço aos nossos professores,Pellanda e Mércio e
Colegas


E que venha o segundo semestre... mas só em março! hehehehehehe


beijos


até uma próxima vez!!\o/\o/




Fernanda Cardoso

































































Programa de TV

Depoiis de ter feito o Stand UP chegou a vez de fazer o programa de tv,20 minutos. O tempo que parecia uma eternidade no rádio. Pareceu um "the flash" na Tv. Talvez,pelo motivo de termos corrido tanto atrás de uma entrevista.
A princípio quem nos consederia entrevista seria o Marco Daudt,um dos organizadores da Fundação Icaro CAReiro. Acabei fazendo uma entrevista para uma reportagem sobre a organização e ele me pareceu bem acessível. Pois bem, na última hora ele não pode conceder a entrevista,já que tinha uma passeate no mesmo dia e horário. Me ferrei!!
Quem eu conseguiria de uma terça para quinta?! E foi esse dilema assim mesmo,até que tivemos a idéia de fazer um programa entrevistando os intercambista da PUC. A idéia meio que surgiu através da nossa convivência com duas japonesas nas aula de PAC,Azumi e a Yukari. Pensamos (um grande engano!) que chegaríamos na PUC e encontraríamos alguém para nos dar a entrevista. Encontramos sim,mas TODOS tinham aula. Até foi um pouco engraçado,eu(Fê) e o meu colega,Gabriel Arévalo correndo pela PUC procurando japas,africanos e portugueses.. hehehehe
Encontramos um africanos,que para nosso sorte (até aquele momento!) disse que iria sim dar a entrevista,mas ele tinha aula. Combinamos de o encontrar as 20:15,quinze minutos antes do programa. E fomos feliz para a aula,achando que tínhamos finalmente conseguido um entrevistado,leve engano!!
O Jairi não foi,nem o Salvador. O Salvador é colega do Gabriel no Cyberfam e ele havia comentado e o portuga se oferecido para ir,mas nada feito! "E agora? quem poderá nos ajudar?!"
Saímos novamente pela FAMECOS enloquecidos atrás de uma pauta para o programa.. Aff!! Até que encontramos no Cicom o prof. Schöder e nos lembramos do tão debatido assunto: Obrigatoriedade do diploma de jornalismo. \o/
Foi a nossa "salvação",nesse mesmo instantes encontramos a nossa colega Luiza Tavares (PP) que tem uma banda "REMY" e que aceitou dar uma entrevista sobre a dificuldade do reconhecimento de bandas no cenário atual. Na hora acabamos descobrindo que outro colega nosso, O guilherme Start também possuía uma banda,mas esse com uma produtora. Bom,o programa estava ali,bastava apresentá-lo. O Puc profissões buscou mostrar que com diploma ou não,dificuldades ou não. Todos temos que lutar em nome dos sonhos.
A experiência foi ótima,como já disse não sou uma das maiores fãs das câmeras. Mas no final tudo deu certo.


video Vídeo de um trecho da nossa entrevista com o prof. Schöder

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Stand UP

Hora de aparecer em frente as câmeras.. Odeiooo!!

Sim,por mais que eu pareça ser EXTROVERTIDA não gosto de aparecer.. sei lá porque.. aí talvez você se pergunte:

-Ah!! então porque está fazendo jornalismo??

-hum..não sei!!! heheheheheheeh

Brincadeiras a partes,achei que foi uma experiência diferente. Acredito que o meu erro foi ao escolher a nota.Acabei pegando um texto um pouco complicado (com uma palavra que eu simplesmente não conseguia pronunciar "UGERM" .
E outra coisa me atrapalhou muito e que depois o prof. Mércio me alertou foi as frases em primeira pessoa! Sem contar a vontade de espirrar que me deu no meu da apresentação,não tiive como segurar e acabei coçando o nariz!! ARGHHHH!!!
Mas bom,para primeira experiência está bom! Essa cadeira é exatamente para isso: para ter uma "primeira noção" do jornalismo. Mas quando começar Telejornalismo I ... Aí vou ter q perder a vergonha e apresentar ^o)


beijos


Tá acabando \o/\o/


fê cardosoo

Módulo TV




Televisão digital


A Televisão digital, ou TV digital, usa um modo de modulação e compressão digital para enviar vídeo, áudio e sinais de dados aos aparelhos compatíveis com a tecnologia, proporcionando assim transmissão e recepção de maior quantidade de conteúdo por uma mesma freqüência (canal) podendo atingir o alvo de muito alta qualidade na imagem (alta definição).
Os padrões em operação comercial são capazes de transportar até 19 Mbps. Em termos práticos, isto é o equivalente a um programa em alta definição, que ocupa 15 Mbps, ou quatro programas em definição padrão, que consomem em média 4 Mbps cada.

História
A história da televisão digital inicia-se nos anos 1970, quando a direção da rede pública de TV do Japão Nippon Hoso Kyokai (NHK) juntamente com um consórcio de 100 estações comerciais, dão carta branca aos cientistas do NHK Science & Technical Research Laboratories para desenvolver uma TV de alta definição (que seria chamada de HDTV).
Inovações Técnicas e Tecnológicas da TV Digital

Qualidade Técnica de Imagem e Som

Resolução de imagem - Os primeiros aparelhos receptores de TV tinham apenas 30 linhas de vídeo. Ao longo das décadas de 1930 e 1940, os novos aparelhos já apresentavam 240 linhas de vídeo. Atualmente, um monitor analógico de boa qualidade apresenta entre 480 e 525 linhas. Na televisão digital de alta definição, chega-se a 1080 linhas com o padrão HDTV.
Novo formato da imagem - A tela dos monitores digitais passará do formato 4:3, típico da TV analógica, para o formato 16:9, mais próximo do formato panorâmico.
Qualidade do som - A televisão iniciou com som mono (um canal de áudio), evoluiu para o estéreo (dois canais, esquerdo e direito). Com a TV digital, passará para seis canais (padrão utilizado por sofisticados equipamentos de som e home theaters).
Sintonia do Sinal sem fantasmas - A TV digital possibilitará a sintonia do sinal sem a presença de fantasmas e com qualidade de áudio e vídeo ausentes de ruídos e interferências.

Interatividade

Interatividade Local - O conteúdo é transmitido unilateralmente para o receptor, de uma só vez. A partir daí, o usuário pode interagir livremente com os dados que ficam armazenados no seu receptor. Um novo fluxo de dados ocorre apenas quando é solicitada uma atualização ou uma nova área do serviço é acessada.
Interatividade com Canal de Retorno Não-Dedicado - A interatividade é estabelecida a partir da troca de informações por uma rede à parte do sistema de televisão, como uma linha telefônica. O recebimento das informações ocorre via ar, mas o retorno à central de transmissão se dá pelo telefone.
Interatividade com Canal de Retorno Dedicado - Com a expansão das redes de banda larga, pode ser desenvolvido um meio específico para operar como canal de retorno. Para isso, o usuário da TV digital necessitaria não apenas de antenas receptoras, mas também de antenas transmissoras, e o sistema, a capacidade de transportar os sinais até a central de transmissão.
Acessibilidade

Facilidades para Gravação de Programas - A introdução de sinais codificados de início e fim de programas facilitará o acionamento automático de videocassetes ou gravadores digitais dos usuários.
Gravadores Digitais Incluídos nos Receptores ou Conversores - Alguns modelos de aparelhos receptores ou mesmo os conversores poderão incorporar gravadores digitais de alto desempenho (semelhantes aos discos rígidos utilizados nos computadores) que poderão armazenar muitas horas de gravação e permitir que o usuário escolha a hora de assistir o programa que desejar.
Múltiplas Emissões de Programas - A transmissão de um mesmo programa em horários descontínuos (um filme, por exemplo, iniciando de 15 em 15 minutos) em diversos canais permitirá que o usuário tenha diversas oportunidades para assistir ao programa desejado a um horário escolhido.

Recepção

Otimização da Cobertura - A tecnologia digital possibilita flexibilidade para ajustar os parâmetros de transmissão de acordo com as características geográficas locais. Em áreas acidentadas ou com muitos obstáculos (grandes cidades com muitos edifícios, por exemplo) pode ser utilizado o recurso da transmissão hierárquica. Com este recurso, um programa pode ser transmitido (com sinal menos robusto) de modo a ser recebido em locais mais favoráveis, através de antenas externas, por exemplo, enquanto outro programa ou o mesmo programa do mesmo canal é transmitido (com sinal mais robusto) com uma menor resolução de imagem para recepção em todos os pontos da área de prestação do serviço. Isto permite que terminais portáteis ou móveis (instalados em veículos) possam receber sem problemas as transmissões.

TV Digital de graça no Brasil

Com uma antena parabólica e um receptor de satélite que receba sinal digital em banda C e apontando a antena para o satélite Brasilsat B3 os canais disponíveis são: Rede TV!, Rede Super, TV Gazeta, SBT, BAND, PlayTV, MixTV, TV Cultura, TV Mundial, CineBrasil, SescTV, TV educativa, TV Sul Bahia, TVMIX Limeira, Record, Rede Familia, CNT, Shop Tour, TV Ra-Tim-Bum entre outros canais. A qualidade da imagem é digital (igual da TV a cabo), porem algumas emissoras ( Record, Band e Rede TV ) já exibem alguns programas em HD ( alta definição ).

Operadoras de TV por Internet

Meios de Transmissão


Uma antena que recebe sinais de TV digital por satélite. Na Europa, a SKY TV já transmite em HDTV
Assim como a televisão analógica convencional, o sinal digital viaja por diferentes meios - que deverão continuar coexistindo após a adoção do padrão digital.[1]
Terrestre - Transmitido por ondas de radiofrequência, os sinais digitais são transmitidos no ar e necessitam de antenas e receptores apropriados para a sua recepção. Este é provavelmente o meio mais aguardado da televisão digital já que seu custo econômico é o mais baixo, não há necessidade de pagar assinaturas bastando às grandes emissoras de televisão no país e suas retransmissoras efectuarem as devidas adaptações, exigindo também da parte dos consumidores, a aquisição de novos receptores. No Brasil, algumas companhias de televisão por assinatura já transmitem a sua programação usando um sistema semelhante denominado MMDS.
Satélite - Já em uso no Brasil desde 1996 através das TVs por assinatura de banda Ku (SKY, Tecsat e DirecTV) este sistema permite a captação do sinal digital pelos utilizadores residentes em regiões remotas. Desde 1997 existe um satélite público da Embratel transmitindo sinais digitais a antenas parabólicas específicas, denominado de banda C digital sem custos financeiros para a recepção.
Atualmente, existem vários satélites com transmissões digitais abertas, chamados de sistemas Free to air (FTA), em formato DVB encontradas em satélites como a série BrasilSat (PAS B1, PAS B2, PAS B3 e PAS B4), Nahuel, Amazonas, Hispasat, entre outros, com programação variada, desde canais abertos (Rede Minas, TV Record, RedeTV!), emissoras regionais, rádios e canais estrangeiros.
Cabo - Utiliza redes de cabo convencionais CATV para transmitir os sinais digitais que chegam à casa do assinante via operadoras de televisão por assinatura. Implantado em 2004 em grandes cidades brasileiras como São Paulo e Rio de Janeiro este meio de transmissão para televisão digital é atualmente o mais difundido em todo o mundo.
Normalmente as operadoras de televisão a cabo recebem quase todos os canais através de satélite. Após a recepção, filtragem e amplificação poderão existir dois processos para a transmissão no cabo, sendo um deles a codificação analógica dos canais (canais premium, pay-per-view, conteúdo explícito para adultos, etc) criando-se um empacotamento, modulação e depois a transmissão no cabo.
Alguns canais, dependendo do interesse da operadora podem ser transmitidos diretamente no cabo sem a codificação analógica, como é o caso da recepção dos canais locais da cidade em que a operadora de TV a cabo se situa, os chamados canais Off Air, porém passam pelo processo de recepção, filtragem amplificação, modulação e transmissão.
Em resumo, para os canais recebidos via satélite, eles são convertidos de sinais digitais (DVB-S), para sinais analógicos e depois transmitidos no cabo.
Tipos de Televisores

Televisor Analógico - Possui um sintonizador interno que permite receber as transmissões analógicas, mas não recebe transmissões digitais, necessitando, para isso, de um conversor digital (Set-Top-Box).
Televisor Digital - Possui um sintonizador interno que permite receber as transmissões digitais sem necessidade de um conversor digital. Também pode receber transmissões analógicas.
Televisor HD Ready - Possui sintonizador analógico, mas é capaz de reproduzir imagens com definição de 720 ou 1080 linhas horizontais. Com um conversor digital ISDB-Tb, poderá exibir imagens de alta definição transmitidas pelas emissoras de TV Digital no Brasil.
Televisor HDTV - (High Definition TV ou TV de alta definição) Capaz de reproduzir imagens com definição de 720 ou 1080 linhas horizontais. Os modelos cuja definição nativa é de 1080 linhas, se possuírem a função progressive scan, podendo exibir imagens com 1080 linhas de definição horizontal progressiva (1080p), são conhecidos como Full HD. Quando utilizados em fontes de sinal 1080i (ex: transmissões em HD) ou 1080p (ex: DVD de alta definição, HD-DVD ou Blue-Ray Disc), podem exibir a melhor definição disponível em alta definição.
Televisor ISDB-Tb Integrado - (conversor digital integrado) Independente de sua tecnologia (CRT, Plasma, LCD ou Projeção), é aquele que possui o conversor digital integrado. Isso significa que pode receber sinais de TV Digital no padrão ISDB-Tb (padrão de TV Digital adotado no Brasil), diretamente da antena, sem necessidade de outro equipamento para converter o sinal (conversor).
Televisor SDTV - (Standard Definition TV) Possui definição nativa de 480 linhas horizontais. A maior parte dos televisores presentes no mercado pode reproduzir sinais com 480 linhas entrelaçadas (480i). Com a transmissão digital, a qualidade de imagem destes televisores será a mesma que eles apresentam quando conectados a um DVD. O conceito SDTV tem relação com a qualidade de imagem e não com o fato do produto ser digital ou analógico. Um produto SDTV pode ter um sintonizador digital.
Transmissão terrestre - Através de ondas de radiofreqüência, os sinais analógicos ou digitais são transmitidos pelo ar a partir das antenas terrestres (diferentemente dos satélites, que ficam no espaço) e necessitam de antenas e receptores apropriados para a sua recepção.
TV a cabo - Sistema que distribui conteúdo audiovisual via cabos. É transmitido por uma operadora, que recebe este conteúdo, nacional ou internacional, e o distribui às casas que pagam mensalmente pelo serviço. Normalmente tem um número significativo de canais disponibilizados.
TV aberta - Sistema que emite livremente conteúdo audiovisual, sem encargos e taxas para o telespectador. Para ter acesso a este conteúdo, basta que a TV esteja conectada à rede elétrica (tomada, gerador ou bateria) e situada dentro da área de cobertura de alguma emissora aberta.
TV analógica – Transmissão (sinal aberto) - É o sinal de TV terrestre transmitido de forma analógica. É comum ocorrer perda de qualidade no processo de transmissão / recepção, ocasionando ruídos e interferências na imagem recebida.
TV de projeção - Funciona como um projetor, porém, a imagem é gerada invertida e projetada na parte de trás da tela do televisor. Assim, vemos a imagem não mais invertida do outro lado. Nos projetores, uma luz muito forte passa por espelhos que a filtram em três cores. Estas se unem e são projetadas para formar a imagem.
TV de tubo - (CRT) CRT é um acrônimo para a expressão inglesa cathode ray tube, que em português significa “tubo de raios catódicos”. Também conhecidos como Cinescópio. Dentro de sua TV existe um tudo onde encontramos duas placas: uma positiva e outra negativa. Quando a tensão entre as placas é muito alta, gera elétrons, e quando esses atingem a placa positiva, a diferença de energia gera um feixe de luz que atravessa o tubo e para na parte de trás do vidro da televisão, formando a imagem.
TV ISDB-Tb Digital – Transmissão (sinal aberto) - Sinal de TV terrestre transmitido de forma digital. O grande benefício deste sistema é que não há perda de qualidade no processo de transmissão. Imagem e áudio permanecem 100% com a qualidade do sinal original, eliminando ruídos e interferências características do sistema analógico.
TV LCD - Um feixe de luz passa por pequenas células que contêm cristal líquido (daí o nome Liquid Crystal Display) controlado por uma corrente elétrica. Assim são geradas as três cores básicas para a formação de imagens: vermelho, verde e azul.
TV Móvel - É a possibilidade de captar os sinais de TV em dispositivos em movimento: ônibus, trens, metrô, carros, barcos, etc.
TV Plasma - No painel de plasma, encontramos pequeninas células que contêm uma mistura de gases. Quando uma corrente elétrica passa por essas células, excita os gases que passam para o estado plasma, gerando luz.
TV Portátil - É a recepção em equipamentos portáteis, que podem ou não estar em movimento. Exemplo: televisores e computadores de mão equipados com receptor de TV ou telefones celulares equipados com chip receptor, nos quais o espectador pode assistir à programação deslocando-se ou não.
TV Via Satélite - Com o avanço da tecnologia foi possível receber o sinal diretamente via satélite nos domicílios. Um satélite recebe a transmissão de outros satélites ou de uma central terrestre, e retransmite para as casas que possuem uma antena específica apontada para ele. É um serviço pago.
Pay-per-view (PPV)

Antigamente, quem quisesse assistir a um canal de filme tinha que ter ciência da programação, ou mesmo um PPV, os clientes tinham que esperar o início do programa almejado para que pudessem comprá-lo. Podem ver também outros pay-per-view como o Big Brother Brasil.
HDTV

Em sua maior resolução de imagem - High Definition Television (HDTV) - Este padrão prioriza a nitidez e qualidade da imagem em detrimento do número máximo de canais a serem transportados em uma mesma freqüência. Atualmente, a resolução HDTV encontra resistência em avançar no mundo, sendo o alto custo da solução um dos principais obstáculos. O HDTV é atualmente utilizado em algumas grandes cidades localizadas em partes dos Estados Unidos, do Japão e de algumas regiões da Europa (para quem dispõe de uma TV com esta tecnologia)..
Momento tecnológico no Brasil

O Brasil foi o único país emergente onde emissoras e indústrias de equipamentos financiaram parte dos testes de laboratório e de campo para comparar a eficiência técnica dos três padrões tecnológicos existentes em relação à transmissão e recepção dos sinais. Devemos dar destaque a Universidade Presbiteriana Mackenzie, juntamente com equipamentos da NEC, que realizaram diversos testes em laboratório e em campo, para a escolha do padrão de TV digital japonês. E a Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (EPUSP) que em seu laboratório de Sistemas Integrados, chegou a criar um padrão totalmente brasileiro de transmissão. A TV Digital no Brasil chegou as 20:48 do dia 2 de dezembro de 2007, com pronunciamento do Presidente da Republica. Inicialmente na Grande São Paulo, pelo padrão japonês com algumas adaptações. No dia 20 de Abril o sinal de Alta Definição foi liberado pela Rede Globo apenas na região metropolitana do Grande Rio. HDTV também já está presente em Goiania,Belo Horizonte,Porto Alegre,Curitiba,Florionópolis e Salvador, as duas últimas em fase experimental.

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Porto Alegre com medo: a culpa é de quem?

Por Fernanda CardosoGabriel ArévaloLuciana Rey


Pelas ruas da cidade o que mais se vê são pessoas andando a passos rápidos, segurando suas bolsas com força para evitar que alguém as puxe. Para o Delegado e diretor do Departamento de Polícia Metropolitana da Policia Civil, Cléber Moura Ferreira, porém, a situação da segurança pública em Porto Alegre está controlada. Ele admite que ainda há muito o que fazer. Segundo Ferreira, o principal problema da Polícia Civil é a falta de novas contratações. "A polícia envelheceu. Os policiais de 20, 30 anos passados ainda continuam trabalhando e poucos ingressaram na carreira"

.Por que a situação chegou a esse ponto?

Segundo a professora da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da PUCRS e mestre em antropologia social Gilse Elisa Rodrigues, "a violência sempre existiu. A agressividade é parte do ser humano. A cidade cresceu, as pessoas vieram do interior para trabalhar na cidade. Eram pessoas que só estavam acostumadas a lidar na roça. Não havia trabalho para todos, deixando uma parte da população ociosa" esclarece a professora. Juntando com as pessoas que já moravam na cidade e não tinham ocupação, a alternativa era recorrer a roubos para suprir as necessidades básicas dessas pessoas. É um procedimento comum também que a população se segmente criando espaços para os mais ricos que excluem os mais pobres. Como grande parte da população brasileira é mais pobre, sentir-se inseguro nas grandes metrópoles do país é algo que já se tornou comum. "Essa sensação de falta de segurança generalizada é causada por que essas pessoas estão à margem da sociedade e são enxergadas como perigosas a todo o momento" frisa.


Os mais atingidos por essa situação de exclusão são os jovens pobres, que sem perspectivas de futuro acabam se envolvendo com drogas. Para alimentar o vício os jovens cometem pequenos crimes. Segundo informações da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Segurança Urbana de Porto Alegre, a maior parte dos comportamentos anti-sociais e infracionais tanto de jovens adultos quanto de adolescentes escapam ao controle policial ou não são denunciados. Esse fato dificulta o trabalho da polícia que não consegue inibir o crime de forma adequada e nem investigá-lo. Outros dados da Secretaria informam que a prática de atos violentos como assalto à mão armada, lesões corporais e homicídios atinge seu pico entre os jovens de 17 à 24 anos que tem forte envolvimento com drogas, e que Porto Alegre foi apontada como grande centro consumidor de crack no Brasil pelo relatório mundial do Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime de março de 2008.

Tem solução?

Em uma coisa, porém, tanto a Professora da PUCRS quanto o delegado concordam: somente com políticas sociais podemos resolver esses problemas."Enquanto não tivermos uma preocupação constante dos nossos governantes em atender as áreas de educação, saúde e cultura teremos sempre o problema da criminalidade. Nós temos pessoas ociosas, jovens ociosos na periferia, que não tem trabalho, que não tem entretenimento, que depois acabam no mundo do intorpecente, que depois para adquirir intorpecente tem que partir para os crimes contra o patrimônio e até contra a vida. Isso é uma círculo vicioso que enquanto não for atacado não adianta ter seis mil policiais bem pagos que o problema não será resolvido" constata o delegado Ferreira.

A culpa é de quem?

A culpa pode ser da polícia, que segundo o próprio Delegado Cléber Moura Ferreira, enfrenta há tempos uma disputa de funções entre Militar e Civil, dos políticos que não investem em políticas sociais ou do próprio cidadão que não cobra ações mais rígidas dos políticos. No entanto, para o Delegado Ferreira a questão é um pouco mais complicada: "Os políticos querem uma polícia mal preparada e mal paga, porque uma polícia bem preparada e bem paga vai colocá-los na cadeia. É só ver o que está acontecendo com a polícia federal. Enquanto estavam prendendo ladrão de galinha podia botar algemas, aparecer na imprensa, mas agora que se está pegando colarinho branco, já não pode mais. Aqueles que governam que querem uma polícia engessada, que eles possam comandar e fazer o que bem entender" afirma.






oie!

finalmente depois de muitos remendos,cortes.. Aqui está a matéria que sairá no jornal da PUC..


bejos :D



fernanda cardoso....

domingo, 26 de outubro de 2008

making off matéria de polícia



Foto da nossa matéria.

Aí fica uma pergunta: ficou estranha a foto sem a cabeça??

Bom,infelizmente tivemos alguns problemas com a nossa matéria.No primeiro ela era muito grande e não caberia em um página e depois(quando finalmente conseguimos ums segunda página!) o Comandante da Polícia Civil pediu para que tirássemos um pedaço em que ele citava de quem era a culpa da violência. Então quando eu conseguir a matéria prometo que coloca aqui!

beijos!!












video

Política - Rê

Aspectos positivos do Governo Yeda


No Palácio do Piratini,foram apresentadas algumas características positivas alcançadas pelo governo de Yeda Crusius durante esse tempo de mandato.
Além de demonstrar apenas o que já foi realizado,o evento permitiu a publicação de algumas medidas que deverão ser tomadas durante o restante do seu governo. Enfatizaram também o enfrentamento de problemas histórico e a resolução de obras paradas há mais de 30 anos.
Foram destacadas as ações do Executivo para conquistar o investimento de R$4,9 bilhões da Aracruz Celulose,o maior empreendimento privado da história do RS,salientando ainda,que depois de concluído o investimento da ampliação da empresa irá ceder mais de 100 mil novas oportunidades de emprego ao povo gaúcho.A recuperação da credibilidade,divulgando o acerto do empréstimo de U$ 1 bilhão com o Banco Mundial para a redução do custo da dívida.
Ao assumir o pagamento de R$370 milhões de débitos passados,o governo ganhou a recuperação da confiança na Consulta popular. Os problemas com as prefeituras sobre financiamento do transporte escolar também teve fim,pois de acordo com Yeda: "Agora é lei,e tem reserva no orçamento para o que foi acordado com os prefeitos." A conclusão da Rota do Sol e os problemas históricos também tiveram sua resolução com o mandato da governadora.
Foi frisado,também,o fato do estado ter superávit primário de R$ 954 milhões e ainda assim,conseguir concluir o pagamento de algumas dívidas. Na opinião de Yeda,a boa notícia estaria mesmo no ajuste fiscal,e na decisão política de fazer ajuste.Com esse ajuste fiscal,sem renúncia ou corte de serviços públicos foram economizados R$ 300 milhões,embora tenha sido muito significante esse acontecimento,o déficit ainda não está resolvido,e a sua resolução é um dos planos futuros a serem analisados. A governadora ainda disse que o governo não necessitou se esgotar para as finanças públicas serem saneadase que,ao mesmo tempo,fornceu um segmento continuado,produzindo o aumento e a qualificação dos serviços que a população precisa.
Mesmo sem estar completo,o projeto do governo do Estado trouxe conquistas 'a população.Por exemplo,o balanço marca o momento de conquista internacional pela governadora Yeda Crusius na sua viagem para o exterior.
De acordo com o secretário-geral de governo ainda possui uma lista enorme de outros investimentos a serem anunciados no RS.O secretário ainda revelou que ninguém investiria em um estdo se não existisse a certeza de que as expectativas para o futuro são positivas e a convicção de que o Estado possui infra-estrutura.
A confiança no Rio Grande do Sul foi reconquistada ao elogiar o trabalho de todo o governo na redução do custeio da máquina,no maior superávit primário em 37 anos,na garantia de energia pela CEEE ,no lincenciamento ambiental,no término de obras,na dragagem do porto de Rio Grande e diversas obras.
De acordo com esses fatos,,é inegável que o Rio Grande do Sul se mostra um dos pólos mais importantes e mais atrativos para investimentos.







Editorias

Entrando no módulo jornal,iríamos escolher as editorias e fazer o nosso próprio jornal!\o/

O professor Mércio(seu eu não me engano!) disse que sairiam mil exemplares e que poderíamos levar para casa...{pra fazer AQUELA propaganda!!} rsrsrsrsrs

Escolhendo as editorias os professores deixaram bem claro que com certeza as mais disputadas seriam:cultural e esportivo!

fiquei bem tranquila,não me interessava nem um pouco esses dois assunto!Escolhi(Fê!) a editoria de polícia...Sempre quis trabalhar com jornalismo investigativo,sendo que não tem muita a ver uma com a outra, e a ficou na editoria de política.

Nessa mesma aula seria decidido a pauta de cada um:

polícia:A idéia principal era entrevistar o Comandante da Brigada Militar sobre a atual situação de violência na cidade de Porto Alegre,conversando com os meus dois colegas de editoria(Gabriel Arévalo e Luciana Rey) notamos que há um richa entre a Polícia Civil e a Brigada Militar.Então resolvemos fazer uma entrevista com os comandantes e Superentendentes das mesmas.E também resolvemos também entrevistar o Subentende da Polícia Federal. Missão um pouco dificil para se fazer em uma semana??!!
Já a Renata teria que fazer um relatório do atual(e polêmico!) governo Yeda Crusius!!


No fim não conseguimos entrevistar,por falta de tempo(mas o jornalismo é assim mesmo!!), o Comandante da Brigada Militar por motivo de viagem e o Subentende da Polícia Federal por motivo de agendamento.Fui até a sede da PF e me disseram que poderiam sim ceder uma entrevista que até aquele momento seria melhor por e-mail,mas logo depois de ter enviado o e-mail com as perguntas me responderam achando melhor marcar uma hora e fazer as perguntas pessoalmente!Acabamos apenas entrevistando o responsável da Polícia Civil que foi uma das mais fáceis,pois logo que mandamos o e-mail,já recebemos o retorno e o dia agendado para a entrevista.Também tivemos a idéia de entrevistar um professor da faculdade de ciências socias para que pudessemos entender o porquê desse clima violento onde nós tiraríamos a perguntas.


Porto Alegre:a culpa é de quem?


beijos!

até a próximaaa

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Módulo Jornal


"Pessimismo ou previsão??!"



"O sonho de Kant era que cada um fosse ao mesmo tempo leitor e autor.."

Essa frase bate direitinho com o diálogo posto no início do livro do Ricardo Noblat.

O que é importante?O que é notícia?E o tão temido interesse público e interesse do público?

Os dois textos me passam uma insatisfação,principalmente em relação ao texto do livro " A arte de fazer um jornal diário". Pelo pouco que li(estou no 3o. capítulo) dá para entender porque Noblat não está mais dentro de uma redação. Ele sabe que aquela "bomba" vai explodir e quer estar bem longe dela quando isso acontecer.

É até estranho que no primeiro capítulo do livro,ele colocar uma lista de tudo o que falta num jornal.Como se dissesse: FACAM!!!

Ué?!Já que ele sabe porque não fez quando estava numa redação?!!

Seria tão fácil identificar os erros,mas não fazer nada para mudar

No meu ponto de vista o jornal imprenso,não vai acabar,mas terá que passar por algumas(talvez muitas!!) mudanças.

E com isso consolidará mais ainda alguns monopólios de comunicação


Uma das dificuldades...



Temos que repensar (e reorganizar!) a função de um jornal.Só assim cortando o mal pela raiz,poderemos enfim seguir em frente. Se não entraremos num infinito debate do porquê o jornal é assim e como se transformará. Mudanças existem,mas temos que saber lidar com elas e não tentar(a todo instante!) prevê-las. Como maneira dee se precaver!!



Textos: livro: "Arte de fazer um jornal diário - Ricardo Noblat

capítulo 1 Assim é,se lhe parece

*A aventura do livro - do leitor ao navegador - Roger Chartier





terça-feira, 14 de outubro de 2008

A hora H.. no estúdio

5,4,3,2,1.... NO AR!!!!



video ansiedade antes do programaa...

video

video

video

video

video

video

video

Beijos! ='P

Enfim..o programa - Ensaio Geral




depois do podcast de 30 segundos..estava se aproximando o programa..



Um programa de 20 minutos.. É tempo pra caramba!As vezes como escutamos rádio fazendo tantas atividades que não imaginamos o tempo e o trabalho de tudo isso!






Resolvemos fazer um programa de notícias..no melhor estilo BANDNEWS e RADIO GAÚCHA.






o programa intitulado ENSAIO GERAL



teve como âncoras: Gabriel Arévalo e Camila Hermes






No começo adoorei a idéia,dividimos as pautas e cada um teria em média 2 minutos. Tínhamos pauta sobre moda,futebol(não poderia faltar,né?!), festas,saúde,política...


























segunda-feira, 13 de outubro de 2008

A primeira experiência

A cadeira que até aquele momento só estava nos exigindo ler alguns textos..fez jus ao seu nome e lá fomos nós para a primeira expêriencia no rádio..Eu simplesmente amoo o rádio e é um sonho trabalhar nele!Mas quem sabe...
Com ia dizendo estava bem tranquila até o professor Pellanda dizer que teriamos que levar uma nota para lermos em 30 segundas na próxima aula.. Fiquei boba!Achei que teríamos que escrever a nota e sem contar que o professor sugeriu algumas coisas para a tal nota. Fiquei pensando em que nota pegar e na hora H acabei não pegando nenhuma... Me atrapalhei toda(e para minha sorte de ser tão desinteressada!). Consegui uma nota sobre um filme que ta tinha estreiado,mas na última hora meu colega Gabriel Arévalo me ofereceu uma nota(pois havia pêgo duas!),foi a minha salvação. =D

Crítica:'Ensaio sobre a cegueira' mostra o pior lado do ser humano

Longa-metragem de Fernando meirelles foi feito a partir do livro de José Saramago. Filme,que estréia na próxima sexta(12),mostra grupo que sofre epidemia de cegueira.

'Ensaio sobre a cegueira',o livro do português ganhador do prêmio Nobel José Saramago,mostra o pior lado do ser humano quando pode agir sem ser visto. O filme dirigido por Fernando Meirelles ,que já concorreu ao Oscar por "cidade de Deus" ,consegue retratar com fidelidade essa transformação do homem em animal que só vive para saciar seus apetites mais primitivos.
Para rádiofam,Fernanda Cardoso.



aiaia! Com certezaa foi mais de 30 segundos sem contar que a minha voz ficou como o de uma menina de 12 anos.Comecei a falar muito alto,aí o prof. Pellanda deu um sorriso querendo dizer:Calma!tá tudo bem! e afastou um pouco o microfone.Mas tá valendo!Tudo é experiência!!



beijos!!

Rádio Digital

No post anterior.. coloquei um cronograma da história do rádio no Brasil..Claro que foi a síntese da síntese porque com certeza o rádio foi bem mais do que algumas datas...
Mas comentava sobre o rádio digital e também uma leitura recomendada dos professores falava sobre isso,então resolvi pesquisar e vou colocar o texto aqui!


Introdução:

O Rádio Digital consiste na digitalização dos sinais de radiodifusão, com isso aumentará significamente, a qualidade de áudio. As emissoras AM terão a mesma qualidade das atuais FM’s, enquanto as emissoras FM possuirão a mesma qualidade de um CD. Além disso, os sinais estarão livres de quaisquer tipos de interferências, geralmente causadas por determinados equipamentos elétricos. Vale destacar que além das melhorias em relação ao áudio, o sistema digital oferece ao usuário uma série de interatividades, como a transmissão de textos, imagens e outros serviços multimídia.

A vez do Brasil ingressar na nova tecnologia:

O Rádio Digital está presente nos Estados Unidos, Canadá, México e agora comemorando em Setembro/2005 os 83 anos do rádio no Brasil com transmissão analógica, chegou a vez do país começar a testar a nova tecnologia, em 09 de Setembro do mesmo ano foi concedida através da Anatel as primeiras autorizações para a execução dos testes do sistema de radiodifusão sonora digital, inicialmente as emissoras: Rádio CBN (FM 90.5) de São Paulo/SP e Rádio Globo (AM 1150) de Belo Horizonte/MG foram autorizadas a emitirem seus sinais nesta nova tecnologia, seguidas da Rádio Gaúcha (AM 600) de Porto Alegre/RS e Rádio Itapema (FM 102.3) da mesma cidade.

A partir da publicação dos atos, essas emissoras deverão apresentar no prazo de 30 dias à Anatel um relatório inicial constando as características que serão utilizadas na transmissão digital, juntamente com o parecer dos testes. Outro relatório acompanhado de laudo conclusivo e considerações finais deverá ser apresentados no final dos experimentos.


Sistema de transmissão digital:

Existem atualmente no mundo três sistemas que possibilitam a transmissão digital, sendo que cada um possui suas características técnicas de operação, abaixo estão relacionados os sistemas e suas respectivas características:

DAB (Digital Áudio Broadcasting): Proposto pelo Canadá, o sistema DAB foi criado com o intuito de utilizar a Banda L (1452 à 1492 MHz), para a transmissão de sinais digitais de áudio e demais serviços interativos, como a inserção de textos e imagens.

DRM (Digital Rádio Mondiale): Sistema europeu que visa a transmissão digital em freqüências abaixo de 30 MHz, uma desvantagem do DRM é a não permissão da transmissão simultânea dos sistemas analógico e digital para o AM e FM, fator que levou o Brasil a descartar esse sistema para testes, já que por enquanto as emissoras não abandonarão o sistema analógico.

IBOC (In Band on Channel): Sistema americano que permite a transmissão simultânea dos sinais analógico e digital, na mesma freqüência. Sistema esse escolhido pelo Brasil para ser testado por um período de 6 meses, isso pela vantagem da permissão dos dois modos de transmissão simultânea, nas mesmas freqüências utilizadas atualmente por emissoras em AM e FM, já que há uma previsão das rádios do país transmitirem em (Simulcasting) por alguns anos, visando a substituição gradativa dos sistema analógico pelo digital.


Receptores digitais:
Para receber os sinais digitalizados é necessário possuir receptores habilitados para este sistema, os novos aparelhos estarão em breve disponíveis para a compra, no início seu custo estará elevado, em virtude da ainda não consolidação da tecnologia digital no país, a qual dependerá exclusivamente da demanda dos consumidores. O Brasil já produz esses equipamentos, mas por falta de mercado, até agora só os exportava.



site:http://www.srdigital.blogspot.com/

MÓDULO RÁDIO

A história do rádio

Introdução

Nesta seção você conhecerá melhor a história e os principais fatos que marcaram o início de um dos mais importantes veículos de comunicação em massa: o Rádio.

O Rádio: Definições e Características

O rádio é um veículo de comunicação, baseado na difusão de informações sonoras, por meio de ondas eletromagnéticas, em diversas freqüências. Ele pode ser caracterizado como um meio essencialmente auditivo, formado pela combinação do binômio: voz (locução) e música.


O rádio entre os meios de comunicação em massa, pode ser considerado o mais popular e o de maior alcance do público, não só no Brasil mas no mundo, isso pela capacidade que o homem tem em ouvir a mensagem sonora e falada simultaneamente e não ter de interromper as suas atividades e se dedicar exclusivamente à audição. Segundo dados do Ministério das Comunicações, o Brasil possui aproximadamente 3.000 emissoras de rádio, sendo que distribuídas aproximadamente em 50% para AM e FM.

Como todo meio de massa, a comunicação pode ser caracterizada como pública, transitória e rápida. Ela é pública, porque, na medida em que as mensagens não são endereçadas a ninguém em particular, seu conteúdo esta aberto ao critério público. Rápida porque as mensagens são endereçadas para atingir grande audiência em tempo relativamente curto, ou mesmo simultaneamente. Transitória, pois a intenção é de que sejam consumidas imediatamente, não se destinando a registros permanentes, naturalmente há exceções, como filmotecas, gravações etc.


O início:

Tudo começou com Michael Faraday, grande sábio inglês que descobriu em 1831 a indução magnética, assim como a grande contribuição dada por James C. Maxwell que descobriu matematicamente a existência das ondas eletromagnéticas diferente somente em tamanho, das ondas de luz, mas com a mesma velocidade (300.000 Km/s). Outro personagem que marcou a história das comunicações foi Thomas A. Edison quando em 1880 descobriu que colocando em uma ampulheta de cristal um filamento e uma placa de metal separada entre si e ligando-se o filamento ao negativo e uma bateria e a placa ao positivo, constatava-se a passagem de uma corrente elétrica da placa para o filamento e nunca em sentido contrário. Grande contribuição também foi dada pelo professor alemão Henrich Rudolph Hertz que comprovou na prática em 1890 a existência das ondas eletromagnéticas, chamadas hoje de “Ondas de Rádio”. Suas experiências basearam-se na teoria de Maxwell, Hertz descobriu que ao fazer saltar uma chispa em seu aparelho oscilador, saltavam também chispas entre as pontas de um arco de metal colocado a certa distância denominado resonador. Hertz demonstrou com essa experiência que as ondas eletromagnéticas tem a mesma velocidade que as ondas de luz. Em sua homenagem, as ondas de rádio passam a ser chamadas de “Ondas Hertzianas”, usando-se também o “Hertz” como unidade de freqüência.


As primeiras transmissões radiofônicas:

Mais tarde em 1893 o padre, cientista e engenheiro gaúcho Roberto Landell de Moura testa a primeira transmissão de fala por ondas eletromagnéticas, sem fio. Graças a ele, a Marinha Brasileira realizou, em 1 de março de 1905, diversos testes de mensagens telegráficas no encouraçado Aquidaban. Todavia, o primeiro mundo reconhece o cientista Guglielmo Marconi como o “descobridor do rádio”. Marconi, natural de Bolonha, Itália, realizou em 1895 testes de transmissão de sinais sem fio pela distância de 400 metros e depois pela distância de 2 quilômetros. Ele também descobriu o princípio do funcionamento da antena. Em 1896 Marconi adquiriu a patente da invenção do rádio, enquanto Landell só conseguiria obter para si a patente no ano de 1900. Essa polêmica da invenção do rádio se compara à da invenção do avião, no início do século XX, em que o primeiro mundo credita aos irmãos Wright, dos EUA, a invenção do veículo aéreo, embora tenha sido o mineiro Alberto Santos Dumont seu pioneiro (os Wright não registraram imagens e suas experiências de vôo, enquanto Dumont realizou testes com seu 14-Bis diante de multidões em Paris, França, em 1906).

Cronograma do rádio no Brasil:

Em nosso cronograma você ficará por dentro dos principais acontecimentos que movimentaram a história do rádio no Brasil, desde o início, e as novas perspectivas sobre a vinda da tecnologia digital.

1922 – Em caráter experimental foi realizada pela Rádio Sociedade do Rio de Janeiro a primeira transmissão oficial de radiodifusão na praia Vermelha no Rio de Janeiro, com o discurso do presidente da República, Epitácio Pessoa em comemoração ao centenário da Independência do Brasil, para isso, foram importados 80 receptores de rádio especialmente para o evento.

1923 – No dia 20 de abril, é fundada a primeira emissora brasileira, a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, hoje denominada Rádio MEC, criada para atuar sem fins comerciais.

1924 – É regulamentada a atual faixa de Ondas Médias, compreendidas entre 550 à 1550 KHz.

1931 – São vendidos os primeiros receptores com o nome das estações no dial.No mesmo ano foi inaugurada as rádios: Record e América de São Paulo.

1933 – Nasce a Sociedade Rádio Educadora de Campinas, que desde 2002 passou-se a denominar Rádio Bandeirantes AM, com isso a programação abre espaço para o jornalismo.

1936 – É fundada a brasileira Rádio Nacional do Rio de Janeiro, ela se tornaria um marco na história do rádio com seus programas de auditório, suas comédias e rádio novelas. Entre o final dos anos 30 e a primeira metade dos anos 50 a Nacional seria uma das líderes de audiência do rádio brasileiro, exportando sua programação gravada e dias depois transmitidas em outras cidades brasileiras.

1937– Em 6 de maio é inaugurada em São Paulo a Rádio Bandeirantes, a primeira emissora a divulgar notícias durante toda a programação.

1938 – Surge a Rádio Globo do Rio de Janeiro, que mais tarde passa a ser a rádio AM mais popular do país.

1941 – A Rádio Nacional lança o Repórter Esso, primeiro rádio jornal brasileiro, também entra no ar a primeira novela radiofônica do país: Em busca da felicidade.

1943 – O rádio ganha maior agilidade com o surgimento dos gravadores de fita magnética.
Também os retificadores de selênio começam a substituir as válvulas retificadoras material semicondutor em estado sólido muito menos propício a queimar do que as velhas válvulas a vácuo.

1955 – Primeira transmissão experimental de rádio FM, pela Rádio Imprensa do Rio de Janeiro, extinta no final de dezembro/2000.

1967– É criado o Ministério das Comunicações no dia 25 de fevereiro.

1990 – A rede Bandeirantes de rádio se torna a primeira emissora no Brasil a transmitir via satélite com 70 emissoras FM e 60 em AM, em mais de 80 regiões do país.

1991 – O sistema Globo de rádio inaugura a CBN (Central Brasileira de Notícias), emissora especializada em jornalismo, que a partir de 1996 inicia suas transmissões simultâneas em FM.

1995 – Início da campanha pelo fim da obrigatoriedade da transmissão do programa oficial “A voz do Brasil”.


2005 – Comemorando os 84 anos do rádio no Brasil, inicia-se no país em 26 de setembro as primeiras transmissões de rádio no sistema digital, tecnologia que está apenas “aterrissando” no Brasil.




extraído do site: http://www.srhistoria.blogspot.com/